Conheça as estratégias de investimento de um assessor de sucesso

Investir é complexo e desafiador. Assessoria de investimento envolve: avaliar perfil do cliente, diversificar carteira, análise fundamentalista e técnica, monitorar e ajustar a carteira, gerenciar riscos, estudar tendências e planejamento financeiro.

Escrito por

Compartilhe:

Investir é uma tarefa complexa e, para muitos, bastante desafiadora. Diante de tantas opções de investimento disponíveis, é difícil, especialmente para os leigos, fazer as melhores escolhas. Por isso, é tão importante contar com o trabalho de um assessor de investimento.

Neste artigo, você vai entender o básico sobre as estratégias de investimento de sucesso adotadas por esse tipo de profissional, que passam pelas seguintes questões:

  • avaliação do perfil de investidor do cliente;
  • diversificação da carteira;
  • análise fundamentalista e técnica;
  • monitoramento e ajustes da carteira;
  • gestão de risco;
  • estudo de tendências;
  • planejamento financeiro.

Boa leitura!

1. Avaliação do perfil de investidor do cliente

O dinheiro é uma questão delicada e, por isso, diferentes pessoas têm maneiras muito distintas de lidar com ele. Sendo assim, assessores de investimento devem começar o seu trabalho avaliando o perfil de investidor de cada cliente que chega — e, inclusive, reavaliando ao longo dos anos.

Os tipos de perfil de investidor são pautados, sumariamente, pela disposição da pessoa para correr riscos, o que, na maioria das vezes, também está bastante relacionado a sua situação financeira e seu nível de conhecimento do mercado.

São eles:

  • conservador;
  • moderado;
  • arrojado.

É preciso compreender a fundo cada um desses perfis para oferecer o atendimento ideal para cada pessoa e alinhar muito bem as expectativas. Além disso, é uma exigência da Comissão de Valores Mobiliários (CMV) que todas as instituições, corretoras e profissionais da área devem oferecer aos seus clientes os produtos mais adequados ao seu perfil.

📰 Leia também:

Estratégias de prospecção: Guia para assessoria de investimento

2. Diversificação da carteira

Existe um ditado que diz “nunca coloque todos os seus ovos na mesma cesta”, e ele tem tudo a ver com a estratégia da diversificação de investimentos, amplamente recomendada por especialistas do mercado financeiro.

Trata-se de distribuir os recursos em investimentos de diferentes classes de ativos, regiões geográficas e setores, buscando reduzir os riscos atrelados a cada um deles e maximizar as chances de retorno.

Investir em apenas um tipo de ativo é se expor a um único risco: se houver um desempenho ruim, todo o dinheiro aplicado será afetado. Eventos políticos, econômicos e globais imprevistos, como crises, guerras, epidemias e até mesmo desastres naturais causam impacto significativo no mercado, e uma carteira diversificada é menos suscetível a ser inteira e negativamente afetada por um evento como esses.

A diversificação, além de evitar esse tipo de problema, permite o aproveitamento de um maior número de oportunidades. Na introdução do texto, já comentamos sobre o quão vastas são as possibilidades de investimentos, e aplicar dinheiro de uma única maneira é desperdiçar as vantagens dessas variedades.

📰 Saiba mais:

Como comparar e escolher títulos públicos para investir?

Como escolher as ações e montar uma carteira?

3. Análise fundamentalista e técnica

Lidar com o dinheiro dos clientes exige muita responsabilidade e, por isso, as estratégias de investimento propostas pelos profissionais da área devem ser baseadas em análises tanto fundamentalistas quanto técnicas. Isso, porque cada uma dessas abordagens traz diferentes perspectivas. Quando usadas conjuntamente, permitem obter uma visão muito mais abrangente do mercado.

É importante frisar que a CVM proíbe o assessor de investimentos de realizar de análise de ativos. Por isso, ele conta com a ajuda de profissionais qualificados e certificados da instituição financeira para isso. Eles constroem relatórios técnicos aos quais os clientes têm total acesso.

De maneira geral, uma análise fundamentalista, como o próprio nome sugere, avalia os fundamentos financeiros e qualitativos de uma empresa ou ativo. Com o objetivo de entender o valor intrínseco de cada investimento, ela passa por examinar profundamente os fatores que influenciam seu desempenho, inclusive os mais subjetivos, como a maneira com a qual a empresa é gerenciada.

Já a análise técnica está mais voltada para a interpretação de dados, como histórico de preço e volumes de negociações.

Para tornar-se um analista, você precisa passar na certificação CNPI da APIMEC.

Estratégias de Investimento: Análise Técnica com Acompanhamento de Histórico

4. Monitoramento e ajustes na carteira

O monitoramento constante da carteira é outra estratégia importantíssima para um assessor de investimento, porque o mercado financeiro está longe de ser imutável. Muito pelo contrário, ele está diretamente relacionado às movimentações sociais, políticas e naturais e, por isso, absolutamente suscetível a reviravoltas.

As carteiras, é claro, devem acompanhar essa movimentação. Embora também seja vedado ao assessor administrar carteiras, ele deve observá-las atentamente junto com os profissionais certificados e propor os ajustes necessários para que os riscos e potenciais ganhos continuem equilibrados (sempre levando em consideração o perfil de investidor de cada cliente).

Essa estratégia visa:

  • adaptar as carteiras dos clientes às mudanças do mercado;
  • identificar e gerenciar os riscos de forma contínua;
  • aproveitar novas oportunidades;
  • reequilibrar a carteira;
  • acompanhar o alcance dos objetivos financeiros do cliente.

5. Gestão de risco

A estratégia da gestão de risco envolve a implementação e a revisão de medidas que visam minimizar as perdas e proteger o dinheiro investido, ao mesmo tempo em que busca maximizar os retornos da carteira, tudo isso, mais uma vez, levando em consideração a tolerância ao risco estabelecida pelo cliente.

Ela desempenha um papel fundamental na tomada de decisões e na construção da carteira. Sendo assim, seus principais aspectos são:

  • a identificação dos riscos envolvidos em cada investimento;
  • a avaliação da magnitude e da probabilidade de ocorrência desses riscos;
  • a definição dos limites, de acordo com cada perfil de investidor;
  • o uso de estratégias de proteção;
  • o monitoramento contínuo e a realização de ajustes na carteira que visam evitar os riscos.

6. Estudo das tendências

Como foi dito anteriormente, o mercado financeiro é mutável. Dessa forma, deve fazer parte das estratégias de investimento acompanhar constantemente as tendências que refletem o comportamento dos preços ao longo do tempo.

Esse estudo é necessário para encontrar novas oportunidades de investimento que estejam alinhadas com o momento do mercado. Ele permite identificar ativos e setores que estão com tendência de alta ou baixa, para aproveitar os primeiros e evitar os segundos.

A análise das tendências também oferece informações importantes relacionadas ao timing de entrada e de saída de mercado, que ajudam a entender quais são os melhores momentos para aplicar e resgatar um investimento.

Por fim, essa estratégia de investimento também está totalmente alinhada à gestão de risco, já que entender as tendências de cada investimento é importante para que o assessor possa recomendar movimentações que visam evitar as perdas.

📰 Saiba mais:

Tendências, suporte e resistência na análise técnica

A base da análise técnica: conheça a Teoria de Dow

7. Planejamento financeiro

Por fim, todo assessor de investimento bem-sucedido deve ter, também, características de um planejador financeiro e lembrar-se que o dinheiro não é um elemento desconectado dos planos de vida de cada cliente, muito pelo contrário. Dinheiro move o mundo e, por isso, está diretamente relacionado ao cumprimento de planos e sonhos de vida.

O ideal, é claro, é que os investimentos estejam alinhados aos grandes objetivos pessoais das pessoas, já que o patrimônio é um dos grandes responsáveis para que eles sejam alcançados.

É importante questionar o cliente a respeito de seus objetivos mais importantes, não apenas aqueles mais diretamente relacionados a dinheiro (como a compra de uma casa, a aposentadoria e a educação dos filhos), mas também os mais intangíveis, como saúde, bem-estar e sonhos de carreira.

Tendo tudo isso em vista, pode-se, então, guiar cada pessoa nas formas de priorizar e alocar os recursos, evitando sua dispersão incoerente.

📰 Leia mais:

Diversificação de investimentos: entenda o que é e como fazer

Como preparar uma palestra na assessoria de investimento

Influencie no mercado financeiro

Influencie no mercado financeiro

Agora que você já entendeu mais sobre as estratégias de investimento essenciais para esse profissional, aproveite para entender tudo o que você precisa saber para se tornar um assessor de investimento de sucesso.

Veja mais

Neste artigo, mostramos um passo a passo para você acessar o site do Bacen e consultar as taxas de juros praticadas pelas instituições financeiras em seus mais diversos segmentos, do rotativo do cartão de crédito até o financiamento imobiliário.
Aprenda a contornar objeções em assessoria financeira. Descubra estratégias eficientes para lidar com clientes, prospects e leads. Alcance a alta performance com o MELVER Pro.
Aprenda a fazer prospecção ativa na assessoria financeira. Encontre leads qualificados e conduza-os pela jornada de vendas. Conheça as melhores estratégias com o MELVER Pro.