Oferta Pública Inicial: Jornada de abertura de uma S.A.

A oferta pública inicial (IPO) marca o início da negociação de ações da empresa na bolsa de valores. Este artigo tem por objetivo indicar os motivos que levam as empresas e os investidores a participarem de um IPO.

Escrito por

Compartilhe:

A oferta pública inicial é a porta de entrada para a negociação de ações da empresa na bolsa de valores. Significa a primeira venda de valores mobiliários ao público e o ingresso desses ativos para negociação no mercado de capitais.

A Oferta Pública Inicial (do inglês, Initial Public Offering – IPO) é um processo complexo, caro e longo. Desta forma, as empresas precisam ter um estágio de amadurecimento dos seus negócios para receber os novos sócios após a finalização do IPO.

Mesmo que o nível de exigência de conformidade seja alto, as empresas que abrem capital apostam na alavancagem do caixa movido pela motivação dos novos acionistas.

A distribuição de ações permite à empresa acessar o capital dos investidores. Por outro lado, as possibilidades de rentabilidade que a empresa oferece ao longo do tempo atrai investidores.

Do ponto de vista do investidor, o processo do IPO carrega um misto de curiosidade e interesse, que teoricamente, pode ser sanado através da análise do prospecto que contém as informações da oferta disponibilizado pela  empresa.

Nesse artigo você entenderá os motivos que levam as empresas e os investidores a participarem de uma  IPO.

Ao final, esperamos que este conteúdo auxilie na tomada de decisão sobre investir ou não, em empresas que estão começando a  caminhada na bolsa de valores.

Para tanto, este artigo abordará os seguintes temas:

  • motivos para iniciar um IPO;
  • jornada do IPO;
  • precauções na hora de investir.

Motivos para fazer uma Oferta Pública Inicial (IPO)

As empresas que iniciam o processo de abertura de capital passam por muitas exigências para atingir alto grau de conformidade em diferentes áreas.

O IPO é bem exigente em termos de governança, controles internos, saúde financeira, recursos humanos entre outros. Esse processo pode levar meses ou anos até que tenha todos os requisitos atendidos.

Além disso, é desejável que a empresa contrate uma auditoria independente para apontar inconformidades, que também precisam ser corrigidas e realizadas alterações estruturais nas empresas, se for o caso.

Apesar de toda exigência, o IPO traz uma perspectiva muito boa para as empresas. O primeiro motivo é o acesso ao capital.

Com a  presença de novos acionistas, a empresa pode captar recursos financeiros para investir e ampliar a sua produtividade com a grande vantagem que não tem a obrigação de retorno específico como um rendimento de renda fixa, por exemplo.

  • Primeiro, se a empresa tiver sucesso no IPO, ela tem a possibilidade de  captar  recursos para o seu caixa na  faixa de milhões e até bilhões.
  • O segundo motivo  é a  liquidez das ações. Como não tem data de vencimento, a negociação de compra e venda das ações traz um alta liquidez nas transações.
  • O terceiro motivo, é que o processo do IPO ajuda no aumento da percepção de  credibilidade da empresa devido às exigências em relação a governança corporativa.
  • Finalmente, o quarto motivo é que após finalizar o IPO e iniciar o processo de negociação em bolsa, a empresa ganha mais visibilidade e reconhecimento por parte da opinião pública.

Jornada do IPO

Basicamente são 3  processos para a oferta pública inicial: estruturação da operação, estruturação da oferta e o pós-IPO. Vejamos, em detalhes, cada um desses processos.

Estruturação da operação

Assim que a empresa  decide começar a IPO,  ela precisa, primeiramente, escolher o auditor e o coordenador líder que será o responsável pelo andamento dos processos.

No momento posterior, a empresa precisa adequar-se a lei das S.A e reestruturar os  estatutos e procedimentos legais da organização.

O passo seguinte é elaborar o prospecto. O prospecto deve ter informações como as  principais características das ofertas, destinação dos recursos, plano e perspectiva de investimentos da empresa, situação atual, estrutura da companhia, entre outros.

No prospecto também precisa discriminar os   fatores de risco do negócio para ajudar o investidor a tomar a melhor decisão. Enfim, o prospecto precisa ter tudo que a empresa pretende fazer com o dinheiro.

O pedido de registro da oferta e da abertura do capital aberto podem ser realizados simultaneamente.

Para fazer o pedido de registro de oferta na CVM, a empresa precisa estar com toda a documentação exigida pela resolução 400/2003 como contrato de distribuição de valores mobiliários e contrato de estabilização de preços e/ou garantia de liquidez. O registro da CVM quando deferido, autoriza a distribuição das ações.

O pedido na B3 para abertura de capital passa por uma análise documental e o objetivo é verificar a conformidade dos aspectos societários. A B3 também define qual é o tipo de listagem que a empresa será classificada.

Estruturação da oferta

Em relação a estruturação da oferta pode ter categorias diferentes conforme o tipo de investidores. Um exemplo clássico, é oferta com prioridade para acionistas ou limitação de número de ações para pessoas físicas.

Na oferta também precisa incluir  se haverá lote adicional e/ou lote suplementar. O lote suplementar tem a função de estabilizar o preço da ação após a negociação no mercado secundário. Pode ser de até 15 % da oferta- base. Além disso, o lote adicional é utilizado no dia da precificação se a demanda for maior do que a oferta. Pode ser de até 20% da oferta-base.

É comum que a empresa realize um roadshow para apresentar a oferta aos investidores institucionais. Assim, os gestores dos investidores enviam as ordens de demanda aos coordenadores que recebe, processa e armazena as ordens. Essa etapa se chama bookbuilding.

A medida que os coordenadores recebem as ordens de demanda  vai se consolidando  a etapa de precificação. O livro de ordem (book) é fechado quando já foi definido o valor e a quantidade de ações.

Após o período de reserva e alocação e entrega da documentação exigida, a CVM concede o registro definitivo da oferta.

Pós- IPO

A etapa de pós-IPO inclui, principalmente, a liquidação da oferta e o início da negociação na bolsa de valores.

Precauções na hora de investir

O IPO não é para amadores. No mercado financeiro você pode encontrar algumas  empresas que pretendem apenas captar recursos financeiros sem a preocupação real com a rentabilidade das ações.

Por isso, vale a pena conhecer o mercado de atuação da empresa, estudar sobre a empresa que você pretende investir para evitar ciladas.

Procure informações que te ajude a tomar decisões mais assertivas, busque profissionais qualificados no mercado financeiro. Não acredite em pessoas que não entendem sobre o funcionamento do mercado financeiro, principalmente, da renda variável.

Outro cuidado é evitar as ofertas que os acionistas ficam em último lugar porque não é conveniente para o investidor. Leia com atenção o prospecto da oferta antes de escolher qual empresa vai investir.

Siga com a MELVER para mais conteúdo relevante do mercado financeiro e se atualize sempre.

📰 Saiba mais:

Oferta Pública de Aquisição: quando uma companhia fecha o seu capital

Continue com a gente. Continue com a MELVER

Veja mais

Aprenda a contornar objeções em assessoria financeira. Descubra estratégias eficientes para lidar com clientes, prospects e leads. Alcance a alta performance com o MELVER Pro.
Aprenda a fazer prospecção ativa na assessoria financeira. Encontre leads qualificados e conduza-os pela jornada de vendas. Conheça as melhores estratégias com o MELVER Pro.
Conheça técnicas eficazes para captar clientes na assessoria financeira. Descubra como abordar, engajar e converter leads em clientes satisfeitos. Aperfeiçoe suas habilidades com o MELVER Pro.