Como funciona a tributação sobre fundos imobiliários?

Os FIIs são investimentos em que se incide o IR. Porém, existe isenção para pessoas físicas em determinadas situações. Além disso, a alíquota que incide é de 20% sobre ganhos de capital e sobre os rendimentos quando não há isenção.

Escrito por

Compartilhe:

Investir em fundos imobiliários tornou-se uma prática popular entre os brasileiros. A atração por rendimentos sólidos e a possibilidade de diversificação de portfólio são alguns dos motivos. No entanto, por trás do aparente sucesso desses investimentos, existe um fator que muitos ignoram ou compreendem mal: a tributação. Este artigo busca esclarecer as regras, as alíquotas e as exceções que envolvem a tributação em fundos imobiliários no Brasil.

O sistema tributário brasileiro é complexo e, portanto, saber como ele se aplica a fundos imobiliários é crucial. Isso porque a tributação pode afetar significativamente a rentabilidade de seus investimentos. Ademais, a falta de compreensão sobre esse tópico pode levar a penalidades por sonegação ou erros de declaração.

Neste contexto, o artigo tem três objetivos principais. Primeiro, desmistificar a tributação em fundos imobiliários para torná-la mais acessível ao investidor comum. Segundo, oferecer uma visão detalhada das diferentes alíquotas e suas aplicações. Terceiro e último, fornecer dicas práticas sobre como gerenciar eficientemente seus impostos, para maximizar seus retornos.

Com isso, você estará mais bem preparado para tomar decisões informadas sobre seus investimentos em fundos imobiliários. Além disso, poderá fazer um planejamento tributário mais eficiente, capaz de otimizar sua rentabilidade no longo prazo.

O que são Fundos Imobiliários?

Fundos imobiliários são veículos de investimento que reúnem o capital de diversos investidores. Estes fundos, em seguida, aplicam em ativos imobiliários como edifícios comerciais, shopping centers e galpões logísticos. Ao investir em um fundo imobiliário, você adquire cotas que representam uma fração do patrimônio total do fundo. Portanto, é como se você fosse dono de uma parte desses imóveis, mesmo que indiretamente.

Contudo, não podemos simplificar excessivamente. Existem diferentes tipos de fundos imobiliários e cada um tem suas próprias características. Podemos categorizá-los em fundos de tijolo, fundos de papel e fundos híbridos. Os de tijolo focam principalmente em propriedades físicas. Os de papel, por sua vez, investem em ativos financeiros ligados ao mercado imobiliário, como Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs). Os fundos híbridos mesclam ambos os tipos de investimentos.

Além dos tipos, há vantagens e desvantagens em investir em fundos imobiliários. Entre as vantagens, destacam-se a diversificação do portfólio e a possibilidade de obter rendimentos passivos com aluguéis. Todavia, é fundamental compreender que esses investimentos também têm riscos. Esses riscos incluem a vacância dos imóveis e as flutuações do mercado.

📰 Saiba mais:

Como analisar Fundos de Fundos Imobiliários

FIIs vs imóveis: duelo final

Como investir em fundos imobiliários e ganhar dinheiro

IR nos Fundos Imobiliários

Moeda cortada em duas partes, uma delas sendo 1/4, representando imposto retidoA isenção de imposto de renda (IR) no investimento em Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs) atrai muitos investidores. Contudo, para usufruir desse benefício, é imperativo cumprir algumas condições específicas. Em primeiro lugar, o investidor deve ser pessoa física. Em segundo lugar, o FII deve contar com no mínimo 50 cotistas. Além disso, as cotas desse FII devem ser negociadas exclusivamente na Bolsa de Valores (B3). Por fim, um único cotista não pode possuir mais de 10% das cotas do fundo.

Em contraste, as pessoas jurídicas, que incluem investidores institucionais como seguradoras e fundos de pensão, sofrem tributação de 20% sobre o rendimento. Os FIIs que operam com menos de 50 cotistas também não gozam da isenção. Nesses casos, os rendimentos são tributados como se recebidos de pessoa jurídica, com alíquotas que podem chegar a 27,5%.

É válido ressaltar que, mesmo quando isentos, os rendimentos devem ser declarados no Imposto de Renda. O contribuinte deve inserir essa informação na aba “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis”, sob o código 26 “Outros”, na seção “Tipo de Rendimento”. Portanto, o entendimento claro das regras fiscais pode auxiliar investidores a tomar decisões mais informadas e a evitar surpresas desagradáveis com a Receita Federal.

Calculando o imposto a pagar

Mão de um homem se preparando para preencher o imposto de rendaCalcular o imposto a pagar em fundos imobiliários é um processo que requer atenção e precisão. A primeira etapa consiste em determinar se você obteve lucro com a venda de cotas ou com os rendimentos distribuídos. Vamos começar pelo primeiro cenário, a venda de cotas.

Na venda de cotas, você deve calcular o ganho de capital. Isso significa subtrair o preço de compra do preço de venda das cotas. Depois, você aplica a alíquota de 20% sobre este valor. Por exemplo, se você vendeu uma cota por R$ 120 e a comprou por R$ 100, o lucro é de R$ 20. Portanto, o imposto a pagar será de R$ 4 (20% de R$20).

Em relação aos rendimentos, se o fundo os distribui diretamente e você é uma pessoa física, a isenção de IR geralmente se aplica. No entanto, atenção: essa isenção só vale se o fundo tiver mais de 50 cotistas e for listado em bolsa de valores. Caso contrário, a tributação seguirá outras regras.

Além disso, é importante lembrar que você deve pagar o imposto até o último dia útil do mês subsequente à venda das cotas. A guia para o pagamento é o Documento de Arrecadação de Receitas Federais (DARF). Não pagar no prazo pode resultar em multas e juros.

O ato de calcular o imposto não deve ser uma atividade isolada. Ele faz parte de uma gestão financeira mais ampla e deve se alinhar ao seu planejamento tributário. Com esse cuidado, você poderá otimizar seus investimentos e minimizar custos desnecessários.

Pronto, agora você já conhece as regras de tributação sobre os fundos imobiliários e está pronto para investir com tranquilidade.

📰 Saiba mais:

Como analisar FIIs de Tijolo

Como analisar FIIs de Papel?

Continue a MELVER para mais conteúdo de qualidade do mercado financeiro.

Veja mais

Neste artigo, mostramos um passo a passo para você acessar o site do Bacen e consultar as taxas de juros praticadas pelas instituições financeiras em seus mais diversos segmentos, do rotativo do cartão de crédito até o financiamento imobiliário.
Aprenda a contornar objeções em assessoria financeira. Descubra estratégias eficientes para lidar com clientes, prospects e leads. Alcance a alta performance com o MELVER Pro.
Aprenda a fazer prospecção ativa na assessoria financeira. Encontre leads qualificados e conduza-os pela jornada de vendas. Conheça as melhores estratégias com o MELVER Pro.