Value at Risk – VAR: conheça a perda potencial de uma carteira

Analisar os riscos de um investimento é fundamental para todos os perfis de investidores que anseiam ter sucesso nas operações financeiras.Este artigo tem por objetivo discorrer sobre a ferramenta VaR que estima a perda potencial máxima de uma carteira de investimento e indicar as principais críticas ao VaR de acordo com algumas correntes financeiras.

Escrito por

Compartilhe:

O risco de perda faz parte do cotidiano dos investidores. O VaR –  Value at Risk contribui para os investidores tomarem decisões melhores porque analisar os riscos de perda é um passo importante, principalmente, para aqueles investidores  que anseiam ter sucesso nas operações financeiras.

O que é o Value at Risk (VaR)?

O VaR – Value at Risk é uma ferramenta utilizada no mercado financeiro para analisar a perda potencial máxima de um investimento. Em primeiro lugar, gostaria de informar ao leitor(a) a diferença entre perda potencial e perda máxima.

A perda potencial é a estimativa da perda máxima que uma carteira pode sofrer em um determinado horizonte de tempo, com um determinado grau de confiança. Já a perda máxima é o valor real da perda que uma carteira sofreu.

Para calcular o VaR, o investidor precisa ter em mãos, quatro variáveis: valor da carteira, coeficiente alfa que se refere ao nível de significância, desvio padrão da carteira e o horizonte do tempo.

Valor da carteira

A primeira variável refere-se ao valor da carteira (V). É o valor de mercado no momento em que está sendo calculado o VaR. Super simples. O investidor precisa apenas consultar o valor do momento para calcular o VaR.

Coeficiente alva

A segunda variável é o coeficiente alfa (α), que é um número que multiplica uma variável ou uma constante de equação ou fórmula. Neste caso, o coeficiente alfa está atrelado ao nível de significância e o mais usado para cálculo do VAR é 5%, isso quer dizer que, quando o nível de significância for de 5% a confiança de 95%, estamos afirmando que, de uma amostra de 100 observações, 95 apresentariam um mesmo parâmetro.  Como o VaR trata do potencial de perda e não de ganho, é preciso ter um alfa abaixo: em vez de se utilizar o alfa para 95% de confiança de 1.96, utiliza-se o alfa para 90% de 1,645.

O conceito do nível de confiança meio da estatística e pode ser aplicada em análise de gestão de risco. Por hábito, o nível de confiança é geralmente expresso em porcentagem, entre os mais aceitáveis,  estão os níveis de confiança de 90%, 95% e 99%.

Desvio padrão

A terceira variável refere-se ao desvio padrão (σ), que é uma medida de dispersão de um conjunto de dados. É uma medida de quão próximos ou distantes estão os valores de um conjunto de dados da média.

Nesse sentido, o desvio padrão alto indica que os valores de um conjunto de dados estão espalhados amplamente em torno da média e o desvio padrão baixo indica que os valores de um conjunto de dados estão próximos da média.

Por exemplo, um investidor está considerando investir em ações de uma empresa de alimentação. O desvio padrão das ações da empresa é de 6%. Isso significa que, em média, o preço das ações da empresa pode variar 6% em um ano. O investidor pode usar esse conhecimento para determinar se está disposto a assumir o risco de investir em ações dessa empresa.

Tempo do investimento

E por fim, a última variável é o horizonte de tempo  ( √ t). O investidor precisa definir o horizonte do tempo porque o VAR é proporcional à unidade de tempo utilizada. Assim, é claro que o VaR de um mês será superior ao VaR de um dia. A grande vantagem do VAR é que ele pode ser usado por diferentes tipos de unidades de tempo, ou seja, anos, meses e dias.

Hora do exemplo de aplicação do VaR.

Suponha que uma determinada carteira possui valor de mercado de R$1 milhão. Seu desvio padrão diário é de 1%. Qual é o VAR considerando que o nível de significância é de 95%.

Para o cálculo do VAR, utiliza-se a seguinte fórmula:

VAR = V x coeficiente alfa α x desvio padrão σ x √ t

VaR = 1.000.000 x 1,645 x 0,01 . √1 = R$ 16.450.

Desta forma, conclui-se que o limite de perda diária seria de R$ 16.450. A cada 100 dias, em apenas 5 dias a perda poderia ser superior a esse valor.

Críticas ao VaR

Uma das críticas a utilização do VaR é que ele pressupõe a observação de distribuição normal . A distribuição normal é outro conceito emprestado da estatística aplicado em estudos financeiros.  A distribuição normal é uma ferramenta usada para descrever, compreender e analisar uma variedade de fenômenos, pois ela se aproxima de muitos fenômenos naturais. Entretanto, quando se refere a análise dos resultados dos produtos do mercado financeiro, nem sempre o resultado está nos limites da distribuição normal.

Outra crítica é em relação ao uso de séries históricas usadas para estimar o VaR. O investidor precisa ter consciência que a série passada não reflete o comportamento de uma série no futuro. Portanto, o VaR pode não apresentar um resultado compatível com a realidade de um futuro próximo.

Em suma, o VaR é uma ferramenta útil para estimar o risco de uma carteira, por ser simples e sintético, porém é importante lembrar que ele é apenas uma estimativa. A perda máxima real pode ser maior ou menor que o VaR.

📰 Saiba mais:

Aumento no valor máximo do Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (MRP) eleva proteção ao investidor.

Ombro-cabeça-ombro: o padrão mais confiável para se operar

CEA: conheça os módulos mais difíceis

Ficou interessado em mais conteúdo relevante do mercado financeiro? Continue com a gente. Continue com a MELVER.

Veja mais

Aprenda a contornar objeções em assessoria financeira. Descubra estratégias eficientes para lidar com clientes, prospects e leads. Alcance a alta performance com o MELVER Pro.
Aprenda a fazer prospecção ativa na assessoria financeira. Encontre leads qualificados e conduza-os pela jornada de vendas. Conheça as melhores estratégias com o MELVER Pro.
Conheça técnicas eficazes para captar clientes na assessoria financeira. Descubra como abordar, engajar e converter leads em clientes satisfeitos. Aperfeiçoe suas habilidades com o MELVER Pro.