Inflação implícita: como os títulos públicos são impactados?

A inflação implícita é um termômetro do mercado que mostra a diferença entre as taxas de juros nominal e real. Ela é crucial para entender as expectativas sobre a inflação e a política monetária, sendo um indicador ágil e prático para todos!

Escrito por

Compartilhe:

Entender a inflação implícita é essencial para qualquer investidor atento ao mercado. Diferentemente da inflação observada, essa medida reflete as expectativas futuras. Ela mostra como os investidores percebem a tendência dos preços a longo prazo. Curiosamente, a inflação implícita influencia fortemente os títulos públicos. Quando os investidores esperam mais inflação, eles exigem maiores retornos, impactando os preços dos títulos.

Por isso, é fundamental analisar como a inflação implícita afeta esses investimentos. Os títulos públicos, especialmente os indexados à inflação, ajustam-se para refletir essas expectativas. Além disso, a inflação implícita também indica a confiança do mercado na política monetária. Se os investidores duvidam da capacidade do Banco Central de controlar a inflação, isso se reflete no valor dos títulos.

Portanto, compreender a inflação implícita é mais do que uma questão técnica. É uma forma de antecipar movimentos do mercado e tomar decisões mais assertivas. É aqui que a análise dessa métrica se torna um diferencial para o investidor inteligente. Conhecendo as expectativas de inflação futura, é possível planejar melhor os investimentos em títulos públicos.

Entendendo os títulos públicos

Palavra BONDS (títulos) em cubos de madeiraOs títulos públicos são instrumentos essenciais para a economia, já que financiam os governos. Quando os investidores compram esses títulos, recebem em troca uma rentabilidade definida. Essa característica os torna uma opção atraente para quem busca segurança e previsibilidade nos investimentos. Além disso, oferecem diversas modalidades, cada uma com suas particularidades e benefícios.

Um ponto importante é a diversidade desses títulos. Temos, por exemplo, os Tesouros Prefixados, que garantem uma taxa fixa até o vencimento. Por outro lado, o Tesouro Selic seguem a variação da taxa Selic, ideal para quem busca acompanhar as mudanças na economia. Já os Tesouros IPCA+ oferecem proteção contra a inflação, pagando uma taxa fixa mais a variação do IPCA.

Vale ressaltar a acessibilidade desses títulos. Hoje, na plataforma do Tesouro Direto, qualquer pessoa pode investir em títulos públicos de forma simples e com baixo custo. Essa facilidade democratizou o acesso a uma das formas mais seguras de investimento. Assim, os títulos públicos são não apenas uma escolha inteligente para a carteira de investimentos, com risco baixo e grande liquidez.

Quer saber mais? Então acesse a playlist que preparamos para você:

Guia completo sobre o Tesouro prefixado com juros semestrais

Tudo sobre o Tesouro IPCA+ 

Guia completo sobre o Tesouro SELIC

A relação entre inflação e títulos públicos

A inflação afeta diretamente o valor real dos retornos dos títulos públicos. Quando a inflação sobe, o poder de compra dos juros recebidos diminui. Por isso, é crucial entender essa dinâmica para fazer escolhas inteligentes de investimento.

Nos títulos prefixados e nos atrelados à Selic, a inflação pode corroer o valor real do retorno. Se a inflação superar a taxa de juros do título, o investidor terá um retorno real negativo. Por outro lado, nos títulos atrelados à inflação, como os Tesouros IPCA+, a situação é diferente. Eles oferecem uma proteção, pois ajustam os pagamentos de acordo com a inflação, garantindo um ganho real.

Além disso, a inflação influencia as decisões do Banco Central sobre a taxa de juros. Quando a inflação aumenta, o Banco Central pode elevar a taxa Selic para controlá-la. Isso, por sua vez, impacta os títulos atrelados a essa taxa. Assim, os investidores devem sempre considerar o cenário inflacionário e as políticas monetárias ao escolherem seus títulos públicos.

Inflação implícita nos investimentos

Moedas em chamasChegamos no core da nossa conversa: a inflação implícita. Ela mostra a diferença entre duas taxas: a nominal, que explicamos anteriormente, e a real, que é essa taxa nominal tirando a inflação. É como se a inflação implícita fosse um jeito de medir o que o pessoal que trabalha com dinheiro acha que vai acontecer com a inflação.

Lembrando: a taxa nominal de um título é o retorno anunciado. Em um título de renda fixa prefixado que pague 15% ao ano, esta será a sua taxa nominal. Para descobrirmos a remuneração real, devemos descontar a inflação do período.

Voltando com a inflação implícita, ela pode ser calculada comparando o rendimento de um título prefixado com o rendimento de um título atrelado à inflação (como o Tesouro IPCA+). A ideia é que a diferença entre os dois rendimentos fornece uma estimativa da expectativa de inflação do mercado para o período.

Vamos ver um exemplo simplificado. Suponha que você tenha as seguintes informações sobre dois títulos do Tesouro Direto:

  • Tesouro Prefixado: rendimento de 8% ao ano
  • Tesouro IPCA+: inflação + 4% ao ano de rendimento real

Para calcular a inflação implícita, precisamos usar a famosa fórmula de Fisher:

Onde:

 taxa de juros nominal;

 taxa de juros real;

π = inflação.

Substituindo na fórmula, usamos os 8% como taxa nominal e os 4% de rendimento real do Tesouro IPCA+. Assim, encontraríamos a inflação implícita:

O que fazer com essa informação?

No nosso exemplo, a inflação implícita é de 3,85%. Isso significa que, de acordo com o mercado de títulos e de renda fixa, a expectativa é de que a inflação seja de 3,85% ao ano para o período em questão.

Como investidor, você pode usar esse conceito para tomar decisões de investimento em renda fixa. A primeira hipótese é de que a inflação implícita esteja abaixo das suas expectativas pessoais. Se você acha que a inflação oficial será maior que 3,85% ao ano, deverá alocar mais recursos em títulos atrelados à inflação, como o IPCA+, fugindo dos prefixados. Lembre-se sempre: deve-se evitar títulos de renda fixa prefixados em cenários de alta de inflação.

A outra possibilidade é de que a inflação implícita esteja acima das suas expectativas. Vamos imaginar que você esteja projetando uma inflação oficial de 2,5% ao ano. Neste caso você deverá apostar em títulos prefixados, que, no final das contas, entregarão uma taxa nominal e real maiores.

Lembre-se de que a inflação implícita é uma estimativa baseada nas taxas de juros dos títulos e pode não refletir precisamente as futuras taxas de inflação. É apenas uma ferramenta que os investidores usam para tomar decisões, mas é importante considerar outros fatores econômicos e de mercado ao fazer escolhas de investimento.

Continue com a gente. Continue com a MELVER.

Veja mais

Neste artigo, mostramos um passo a passo para você acessar o site do Bacen e consultar as taxas de juros praticadas pelas instituições financeiras em seus mais diversos segmentos, do rotativo do cartão de crédito até o financiamento imobiliário.
Aprenda a contornar objeções em assessoria financeira. Descubra estratégias eficientes para lidar com clientes, prospects e leads. Alcance a alta performance com o MELVER Pro.
Aprenda a fazer prospecção ativa na assessoria financeira. Encontre leads qualificados e conduza-os pela jornada de vendas. Conheça as melhores estratégias com o MELVER Pro.